Código QR: Como pode ser usado off-line em sala de línguas?

Código QR: Como pode ser produtivo em sala de línguas?

IMG_8351

Não é a primeira vez que trabalho com essa tecnologia, mas neste post eu vou compartilhar minha experiência de ontem (22/07/2016) com código QR (Quick Response) e como eles podem ser usados para envolver os alunos em atividades simples na sala de línguas. O uso de atividades baseadas no Código QR é mais uma maneira de usar a tecnologia aberta como um meio de aprendizagem. Muitas vezes encontramos colegas professores e alunos que nunca ouviram falar sobre o código QR como ferramenta de ensino. Portanto, aqui é uma oportunidade para conhecer um recurso técnico que tem uma variedade de usos para muitas finalidades, incluindo a aprendizagem de inglês.

Mobile Learning: Partilhando  cenários de aprendizagem

IMG_8399Quando eu conheci o conceito de códigos QR para uso em sala de aula, a ideia principal era usá-los para conectar a sites web e fazer pequenos trabalhos em grupos. Infelizmente a maioria dos meus alunos não tem acesso à Internet e a conexão wi-fi do Campus não é boa, ficando limitando o número de dispositivos que podem usar a rede. Pesquisando um pouco mais, eu percebi que existem várias maneiras de usar o código QR off-line, entre eles tem a opção de TEXTO. Há muitos serviços que oferecem essa funcionalidade, incluindo o que eu uso, “the qrcode generator” . Você pode digitar até 160 caracteres, espaço suficiente para uma frase completa, uma pergunta ou até mesmo pistas.

Competição de conhecimentos em  inglês usando o código QR

A aula foi ministrada na turma  do 1 ano de Edificações do IFPI- Campus Teresina Zona Sul ( 40 alunos). Todos os alunos participaram na descodificação dos códigos.

1-Dividimos a turma em grupo; ( foram criados 40 códigos diferentes)

IMG_8303

2- Cada aluno tinha sua vez de ir ao quadro e  escolhia um código;

IMG_8334

3- Depois de escolher o código, os alunos respondiam de imediato a pergunta diante da turma em inglês;

IMG_8285

4- Cada código lido foi retirado do quadro pelos  participantes;

IMG_8272

5 A equipe ganhava pontos com as respostas corretas dos participantes;

IMG_8309

Aqui estão  dois exemplos  das diferentes abordagens que  testamos com os alunos:

pic2

i pic

Este recurso tecnológico deve ser usado como uma forma de avaliação formativa em sala de aula e como uma ferramenta que promove a colaboração entre pares. Um dispositivo móvel pode ser compartilhado por um grupo de alunos, ou cada um deles pode usar o seu próprio telefone. O melhor de tudo  é que  não precisa de conexão de Internet  ou Wi-Fi  para  a participação dos alunos.

Como criar um  código QR?

IMG_8282Primeiro, você pode usar um aplicativo ou um site para criar o seu código QR. Eu pessoalmente uso (https://www.the-qrcode-generator.com/ com) para criar os meus códigos . É gratuito e fácil de usar, mas existem muitos sites abertos que pode ser encontrado na Internet. Depois de ter produzido o  código, você pode, em seguida, transferi-lo para o seu recurso de ensino, ou imprimir e colocar no quadro ou paredes. Depois com os  códigos criados, tudo que você tem a fazer é baixar um leitor de QR em dispositivos móveis. Eu gosto de usar o aplicativo i-nigma em todos os celulares da sala de aula. Ele funciona bem e é gratuito.

IMG_8301Há muitas outras maneiras que você pode usar códigos QR na escola. Eles melhoram a experiência de aprendizagem e é uma ótima maneira de envolver os alunos de forma interativa ligando aprendizagem formal e informal, pois após a primeira experiência em sala de aula, os alunos começam a perceber toda a publicidade e meios de comunicação que faz uso de códigos QR. Conhecimento que vai desde a sala de aula para a sua vida quotidiana.Essa sugestão é um  ponto de partida para a discussão dos estudantes, enquanto se envolvem usando os celulares em sala de aula com um propósito significativo de resolução de problemas.

IMG_8359Enfatizamos que os exemplos dos designs de atividades planejadas e realizadas, em minhas práticas educativas, não servirão como roteiros ou modelos para derivar técnicas e materiais de aprendizagem com ajuda da tecnologia, pois acreditamos que cada professor deve ser um designer de suas próprias atividades, tendo como base o contexto em que atua e a realidade dos seus alunos.

Gostou? Comente aqui em baixo  e deixe seu comentário com suas dúvidas e sugestões para post  futuros.

Teresina Piauí- Brazil ( 23-07-2016)

ifpi log

Add a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *